Seja bem vindo ao nosso site Rádio Triunfo FM 87,9MHz Triunfo, Pernambuco, Brasil !

Buscar  
Entretenimento

Cantora Tina Turner, a rainha do rock ?n? roll, morre aos 83 anos

"Hoje nos despedimos de uma querida amiga que nos deixa sua maior obra: sua música. Toda a nossa sincera compaixão vai para a família dela. Tina, sentiremos muito sua falta", escreveu comunicado nas redes oficiais de Tina.

Publicada em 24/05/2023 às 18:31hCNN Brasil

Link da Notícia:
Compartilhe
   

Cantora Tina Turner, a rainha do rock ?n? roll, morre aos 83 anos
 (Foto: Franziska Krug/Getty Images)

Tina Turner, a dinâmica cantora de rock e soul que surgiu de origens humildes e superou um casamento notoriamente abusivo para se tornar uma das artistas femininas mais populares de todos os tempos, morreu aos 83 anos.

 

Ela morreu “pacificamente após uma longa doença” em sua casa em Küsnacht, perto de Zurique, na Suíça, disse um representante de Tina à Reuters, nesta quarta-feira (24).

 

“É com grande tristeza que anunciamos o falecimento de Tina Turner. Com sua música e sua paixão sem limites pela vida, ela encantou milhões de fãs ao redor do mundo e inspirou as estrelas do amanhã”, escreveu comunicado publicado nas redes sociais oficiais de Tina.

 

“Hoje nos despedimos de uma querida amiga que nos deixa sua maior obra: sua música. Toda a nossa sincera compaixão vai para a família dela. Tina, sentiremos muito sua falta”, completou a nota.

 

A rainha de cabelo espetado e salto alto

Turner, frequentemente chamada de a “rainha do Rock ‘n’ Roll”, foi uma das maiores cantoras de todos os tempos, conhecida por sucessos como “What’s Love Got to Do with It” e “(Simply) The Best”.

 

Uma artista ao vivo fascinante, Turner teve uma série de sucessos de R&B na década de 1960 e início dos anos 70 com seu marido dominador e violento, o guitarrista Ike Turner, antes de deixá-lo – fugindo de seu quarto de hotel em Dallas com 36 centavos.

 

Sua carreira solo fracassou por anos antes de ela montar um retorno impressionante em 1984 com seu álbum multiplatina “Private Dancer” e seu hit número 1, “What’s Love Got to Do With It”.

 

Em pouco tempo, Turner era uma superestrela global, comandando a MTV com suas perucas espetadas, saias curtas e famosas pernas longas desfilando pelos palcos de shows em saltos de sete centímetros.

 

O vídeo de sua música “What’s Love Got to Do with It”, no qual ela chamou o amor de “emoção de segunda mão”, atingiu o topo das paradas e sintetizou o estilo dos anos 1980 enquanto ela desfilava pelas ruas de Nova York com seu cabelo loiro espetado.

 

A década a viu colocar uma dúzia de canções no Top 40, incluindo “Typical Male”, “The Best”, “Private Dancer” e “Better Be Good to Me”.

 

Tina Turner - I Can't Stand The Rain (Live from Rio de Janeiro)

Seu show de 1988, no Rio de Janeiro, atraiu 180 mil pessoas, que continua sendo uma das maiores audiências de shows para qualquer artista.

 

Enquanto sua resiliência fez dela uma heroína para mulheres vítimas de agressão em todos os lugares. Quando ela cantava sobre dor e mágoa com sua voz rouca e estridente, cada palavra soava verdadeira.

 

“Por muito tempo me senti presa, sem saída para a situação insalubre em que me encontrava”, disse ela à Harvard Business Review em 2021.

 

“Mas depois tive uma série de encontros com diferentes pessoas que me encorajaram… E uma vez que pude me ver claramente, comecei a mudar, abrindo caminho para a confiança e a coragem. Demorou alguns anos, mas finalmente consegui defender minha vida e começar de novo.”

 

“Ele sabia que eu tinha o potencial de uma estrela”

Ela nasceu Anna Mae Bullock em 1939, filha de meeiros pobres perto de Nutbush, Tennessee, uma comunidade rural ao norte de Memphis que mais tarde ela tornou famosa em sua canção autobiográfica, “Nutbush City Limits”. Ela passou seus primeiros anos morando com a avó depois que os pais se separaram.

 

“Éramos pessoas da igreja, então, na Páscoa, arrumamos tudo. Eu era muito inocente e não sabia muito mais. Eu conhecia o rádio – BB King, country e western”, disse Turner.

 

“É sobre isso. Eu não sabia nada sobre ser uma estrela até os brancos permitirem que descêssemos e assistíssemos à televisão uma vez por semana”, acrescentou.

 

Após a morte de sua avó na década de 1950, Turner e sua irmã Ruby se mudaram para St. Louis, Missouri, para morar com sua mãe.

 

Foi em St. Louis que ela começou a visitar alguns dos clubes locais e conheceu o músico Ike Turner, cuja banda, Kings of Rhythm, era popular na área. Ele a recrutou aos 17 anos para se juntar a sua banda como cantora.

 

“Ike teve que vir até a casa e perguntar a Ma se eu poderia cantar com ele. Ele sabia que eu tinha potencial para ser uma estrela. Éramos próximos, como irmão e irmã”, disse Turner a Winfrey.

 

“Em suas noites de folga, nós dirigíamos pela cidade e ele me contava sobre sua vida, seus sonhos. Ele me disse que quando era jovem, as pessoas o achavam pouco atraente. Isso realmente o machucou. Eu me senti mal por ele. Pensei: ‘Nunca vou machucar você, Ike.’ Eu quis dizer isso. Ele foi tão legal comigo na época, mas eu vi o outro lado dele”, completou.

 

Ela começou a se apresentar como Tina Turner e, em 1960, eles formaram o Ike & Tina Turner Revue. O relacionamento deles evoluiu e seu filho Ronnie nasceu no mesmo ano. Eles se casaram em 1962 e criaram quatro filhos, incluindo dois filhos de relacionamentos anteriores de Ike e o filho de Tina, Craig, também de um relacionamento anterior.

 

A brutal relação com Ike

Como Turner afirmou em sua autobiografia e em entrevistas, as agressões de Ike estiveram presentes quase desde o início.

 

Sensível e instável, Ike Turner tinha acessos de raiva à menor provocação, disse ela, acrescentando que ele batia nela com o que estivesse disponível – cabides, telefones, uma maca de sapato de madeira, os punhos.

 

Muitas vezes, ela disse, ele até batia nela antes de subirem ao palco.

 

“Ele me batia nas costelas e sempre tentava me deixar com o olho roxo. Ele queria que seu abuso fosse visto. Essa foi a parte vergonhosa”, disse Turner a Winfrey.

 

Tina cantava a maioria de suas canções com a ajuda de cantoras de apoio, enquanto seu marido permanecia ao fundo, geralmente na guitarra.

 

Sua parceria musical rendeu uma série de sucessos de R&B, incluindo “A Fool In Love”, “Nutbush City Limits” e “Proud Mary”, seu cover de 1971 de uma música do Creedence Clearwater Revival, que alcançou o quarto lugar nas paradas pop e ganhou eles um Grammy.

 

Mas fora do palco o casamento deles continuou tumultuado, alimentado em parte pelo vício em cocaína de Ike Turner.

 

“Outra noite, brigamos no camarim e, quando subi no palco, meu rosto estava inchado”, disse ela a Winfrey.

 

“Acho que meu nariz quebrou porque o sangue jorrou na minha boca quando eu cantei. Antes, eu conseguia me esconder sob a maquiagem. Mas você não pode esconder o inchaço”, disse.

 

Ela ficou com Ike Turner por mais de uma década, apavorada com seu temperamento e determinada a não abandoná-lo como os outros fizeram.

 

Mas as coisas chegaram ao auge em julho de 1976, quando eles voaram para Dallas para um show. Turner escreveu em seu livro que, após um voo de avião, seu marido começou a atropelá-la em um carro a caminho do hotel.

 

Enquanto ele dormia, ela escapuliu do quarto levando apenas um cartão de crédito Mobil e 36 centavos.

 

Ela fugiu por uma rodovia movimentada para um motel, onde um recepcionista simpático viu seu rosto ensanguentado e deu-lhe um quarto. Ela então ligou para um advogado que ela conhecia, que providenciou para que um amigo a pegasse e a colocasse em um avião de volta para Los Angeles.

 

“Depois que meu avião pousou na Califórnia, meu coração estava em meus ouvidos. Eu estava com medo de que Ike estivesse lá porque quando eu saí uma vez antes, ele me localizou em um ônibus”, disse a Oprah.

 

“Então, quando saí daquele avião, corri como louco. Eu disse a mim mesmo: ‘Se ele estiver aqui, vou chamar a polícia aos gritos. E eu tinha um canto na minha cabeça: ‘Vou morrer antes de voltar.'”, acrescentou.

 

Ascensão à fama internacional

A essa altura, um amigo havia apresentado a Turner o budismo e sua prática de canto, ao que ela atribuiu a força para deixar o marido. Criada como batista, Turner abraçou o budismo de todo o coração na meia-idade e disse que seus ensinamentos mudaram sua vida.

 

“Passei a entender que qualquer conquista decorre de uma mudança interior”, disse ela à Harvard Business Review. “Quanto mais eu estudava os princípios budistas, mais fundo eu cavava dentro de mim e limpava quaisquer atitudes ou hábitos que estivessem em meu caminho.”

 

Ela e Ike se divorciaram formalmente em 1978, após uma longa batalha legal. Ela escreveu em seu livro que ele reteve a maior parte dos ganhos e bens que ganharam como casal, enquanto ela cuidava de seus quatro filhos.

 

O divórcio quase a arruinou financeiramente e, nos anos seguintes, Turner se apresentou em especiais de TV e em Las Vegas enquanto ela lutava para reconstruir sua carreira.

 

Seu retorno ganhou força depois que ela contratou o gerente australiano Roger Davies em 1979. Rod Stewart a convidou para tocar “Hot Legs” com ele no “Saturday Night Live” dois anos depois, e em 1983, seu cover de “Let’s Stay Together” de Al Green. tornou-se um sucesso na Inglaterra.

 

Depois veio “Private Dancer”, que gerou três sucessos no Top 10, ganhou três Grammys e vendeu mais de 10 milhões de cópias. Embora ela não tenha gostado da música no início e teve que ser convencida a gravá-la, “What’s Love Got to Do With It” fez dela, aos 44 anos, a artista feminina mais velha a conseguir um hit número 1.

 

Em 1985, no auge de seus poderes, ela cantou no single beneficente “We Are the World”, se apresentou com Mick Jagger nos shows históricos do Live Aid e co-estrelou o filme pós-apocalíptico de Mel Gibson “Mad Max”. Além do Thunderdome”, marcando outro sucesso com “We Don’t Need Another Hero”, uma música do filme.

 

No ano seguinte, Turner narrou seu início de carreira e casamento abusivo em um livro de memórias best-seller, “I, Tina”, que foi adaptado para um filme de sucesso de 1993, “What’s Love Got To Do With It”, estrelado por Angela Bassett.

 

Os álbuns de sucesso, singles e shows esgotados continuaram no final dos anos 80 e 90, e Turner continuou sendo uma artista popular ao vivo no novo milênio – especialmente na Inglaterra.

 

Turner se mudou para a Suíça na década de 1990 com o namorado alemão Erwin Bach, um executivo de sua gravadora. Ele era 16 anos mais novo. O casal se casou em 2013, após um relacionamento romântico de 27 anos, e em 2022 comprou uma propriedade de US$ 76 milhões no Lago de Zurique.

 

“Eu pago impostos aqui (nos EUA). Minha família está aqui”, ela disse a Larry King da CNN, em 1997. “Deixei a América porque meu (maior) sucesso foi em outro país e meu namorado estava em outro país. A Europa tem dado muito apoio à minha música.”

 

Ike e Tina Turner foram introduzidos no Hall da Fama do Rock and Roll em 1991 e ela foi indicada como artista solo em 2021. “Tina”, um musical baseado em sua história de vida, estreou na Broadway em 2018.

 

Turner perdeu seus dois filhos, Craig, que morreu em 2018, e Ronnie, em 2022.

 

“Alguns dos momentos mais felizes da minha vida foram o nascimento de meus lindos meninos, Craig e Ronnie, e o casamento com meu parceiro e alma gêmea, Erwin Bach”, disse ela ao NBC’s Today Show em 2021.

 

Profissionalmente, ela disse, seus momentos mais felizes foram se apresentar ao vivo.

 

“Um dos meus primeiros objetivos de carreira era me tornar a primeira mulher negra a lotar estádios ao redor do mundo”, disse ela à NBC. “Na época, parecia impossível. Mas nunca desisti e estou muito feliz por ter realizado esse sonho.




ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Agora na Triunfo FM
Locutores
João Edmilson e Alex Sandra Pádua
João Edmilson
Luciano Lima e Priscila Viih
Luciano Lima e Thyago André
Alex Souza e Luciano Lima
Thyago André e Priscila Viih
Seu Luiz
Priscila Viih
Alex Souza
Alex Sandra Pádua
Thyago André
Luciano Lima
Ouvintes Online

Visitas: 162217

Usuários Online: 1


Copyright (c) 2024 - Rádio Triunfo FM 87,9MHz - Todos os direitos reservados
Converse conosco pelo Whatsapp!
site, tv, videos, video, radio online, radio, radio ao vivo, internet radio, webradio, online radio, ao vivo, musica, shows, top 10, music, entretenimento, lazer, áudio, rádio, música, promocoes, canais, noticias, Streaming, Enquetes, Noticias,mp3,Blog, Eventos, Propaganda, Anuncie, Computador, Diversão e Arte, Internet, Jogos, Rádios e TVs, Tempo e Trânsito, Últimas Notícias, informação, notícia, cultura, entretenimento, lazer, opinião, análise, jogos, Bandas, Banda, Novos Talentos, televisão, arte, som, áudio, rádio, Música, música, Rádio E TV, Propaganda, Entretenimento, Webradio, CD